quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

DEFESA CIVIL DE SÃO LUÍS ENTREGA CESTAS BÁSICAS A DESABRIGADOS



As intensas chuvas que caíram na madrugada da última quarta-feira na Ilha de São Luís causaram pesados transtornos a muitas famílias que residem em áreas de risco. O índice pluviométrico ultrapassou 100 milímetros e, em alguns pontos houve alagamentos e diversas casas desabaram, causando transtornos a centenas de pessoas que moram em áreas de risco. 

No Bairro Coroadinho foram três famílias desalojadas com perda total, que estão em casa de parentes. Na Vila Sapinho, na área da Cidade Olímpica, as chuvas desalojaram três famílias que perderam praticamente tudo. Na comunidade Apaco, área da Cidade Operária, há 114 famílias desalojadas. E na Rua da Matança, no Bairro Anil, 46 famílias. Também há famílias desalojadas na Vila Militar, área do Bairro São Raimundo. Geralmente, essas famílias ficam em invasões novas situadas em locais impróprios para moradia na Ilha de São Luís.

De acordo com a Superintendente Elitânia Barros, da Defesa Civil Municipal (Sudec), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (SEMUSC), agentes da Defesa Civil Municipal continuam cadastrando as famílias desabrigadas na Apaco, que receberão, num primeiro momento, cestas básicas. “Choveu muito na madrugada da última quarta-feira, com o índice pluviométrico ultrapassando 100 milímetros, provocando danos consideráveis em algumas comunidades na Capital maranhense. Tivemos muitos alagamentos generalizados em São Luís, com vítimas, causados principalmente pela grande quantidade de lixo dentro dos córregos e bueiros”.


LIXO É NO LIXO – Por conta de uma cultura ultrapassada, os brasileiros não têm o hábito de jogar lixo no lixo. “Temos de rever nossos hábitos, porque senão sofreremos muito mais ainda com a ação da Natureza”, alerta a Superintendente Elitânia Barros. Agentes da Defesa Civil Municipal está concluindo o levantamento de desalojados. Estima-se que haja mais de 168 famílias desalojadas, abrigadas temporariamente em casa de parentes ou amigos. A maioria não quer se afastar dos barracos que construiu. 

“Essas famílias estão de sobreaviso. E a qualquer momento, se, por exemplo, voltar a chover com mais intensidade, com certeza, deveremos levá-los para abrigos provisórios em Associações de Moradores, igreja. Em último caso, só procuraremos uma escola se não tiver outro jeito. Geralmente, procuramos esses abrigos provisórios em locais que não vão dar prejuízo à comunidade”, explica Elitânia.


CESTAS BÁSICAS – A Defesa Civil Municipal entregou na tarde de hoje (15), no CRAS da Cidade Operária, dezenas de cestas básicas às famílias desabrigadas pelas chuvas. Na localidade Apaco foram beneficiadas 117 famílias. Também serão contemplados desabrigados da Vila Militar, Matança e algumas famílias pontuais que perderam bens e imóveis no Coroadinho, José Reinaldo Tavares e Vila Sapinho. “À proporção que as cestas doadas pela população e empresas vão chegando à sede da Defesa Civil, a gente vai distribuindo entre os desalojados. O CRAS e a Secretaria de Segurança Alimentar estão dando enorme contribuição nesta campanha em prol das famílias vitimadas pelas chuvas. 

Estamos pedindo à sociedade e a classe empresarial ludovicenses que colaborem conosco, ajudando estas famílias que perderam praticamente tudo. Para maiores informações, favor ligar para o Fone 153, ou deixar suas doações na sede da Defesa Civil Municipal (Avenida dos Franceses, ao lado do Hospital da Criança, no Bairro da Alemanha). As doações serão entregues imediatamente aos desabrigados.

 Fotos: J.Roberto



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.