segunda-feira, 29 de abril de 2013

Agiotagem: Secretaria de Segurança recua e admite que nem todos estejam envolvidos

Aluísio Mendes agora mais cauteloso

“Uma farta documentação foi apreendida quando a polícia realizou a operação para localizar e capturar os assassinos do jornalista Décio Sá, como documentos de empresas, cheques em branco assinados, contratos, entre outros. Toda essa documentação foi analisada e chegou-se ao número de 41 prefeituras que tinham algum tipo de citação. Não quer dizer realmente que essas pessoas estejam envolvidas. A polícia está aprofundando as investigações e chamará os gestores e ex- gestores para saber o tipo de ligação que eles tinham com os agiotas”.
As palavras acima demonstram bem a preocupação do secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, com a precipitação e o estrago que a operação para apurar participação de gestores e ex-gestores municipais no esquema de agiotagem comandada pelo empresário Gláucio Alencar provocou nos meios políticos do Estado.
O recuou, que coincidiu com a chegada ontem da governadora Roseana Sarney ao solo maranhense (ele esteve em São Paulo e Brasília) foi orientação para evitar que se cometa  injustiças.
Quebrando o sigilo das investigações, com o fornecimento inclusive de imagens de depoimentos tomados dos presos acusados pelo assassinato do jornalista Décio Sá, durante fase do inquérito, unicamente à TV Mirante, a polícia passou a informação de que 41 municípios estão envolvidos no esquema do agiota Alencar e de seu pai, Miranda Alencar.
Conforme as investigações, ex-prefeitos e prefeitos atuais de 41 cidades maranhenses foram citados ou negociaram com o agiota em dinheiro emprestado para pagamentos com juros, além da entrega do fornecimento de merenda escolar e medicamentos hospitalares.
Mas a reação dos gestores e ex-gestores (alguns estão ingressando na Justiça para provar o contrário) abalou a base sólida do Palácio dos Governo e deixou os leões com as pernas trêmulas.
Existem casos em que uma das empresas (e não são poucas) ligadas ao agiota Gláucio Alencar venceu a concorrência pública em cidades citadas pela polícia, mas os contratos não foram pra frente e os serviços sequer foram executados, sendo a empresa substituída pela segunda colocada no certame. Mas a polícia não se deu a esse trabalho de apurar com mais cuidado.
Em outros casos, empresas ganharam as licitações e os donos tiveram que tomar dinheiro emprestados do agiota para adquirir os produtos e fornecerem a merenda ou medicamentos.
Há alguns que chamam a atenção. Uma empresa venceu a licitação em Caxias, queria entregar apenas 3o% da merenda, com o que não concordou o então prefeito Humberto Coutinho e a firma foi afastada.
Em Coelho Neto, o prefeito Soliney Silva desafiou a política a provar o envolvimento de sua gestão com a agiotagem e enviou uma carta ao secretário Aluísio Mendes pedindo esclarecimentos sobre as investigações.
Na cidade de Pindaré-Mirim, também citada pela Polícia como envolvida na agiotagem, o ex-prefeito Henrique Salgado juntou toda a documentação e vai entregar ao Ministério Público, à Procuradoria Geral do Estado, Procuradoria da República, ao TCE e TCU, mostrando que a merenda foi entregue regularmente.
Ele garante que não sabia se a empresa vencedora era ligada ou não a Gláucio. O importante, segundo o ex-prefeito, é que a mercadoria foi entregue, conforme contrato assinado.
Mas acompanhado da merda, a cagada. O Portal G1 Maranhão, ligado a Rede Globo e afilhado do sistema Mirante de Comunicação, fez um levantamento com base na pressa e no atrapalho e chegou a citar os nomes dos supostos 41 prefeitos e ex-prefeitos.
E para melar mais ainda o cenário, setores da polícia espalharam ontem que prisões podem ocorrer a qualquer momento. Como uma espécie de aviso para que os acusados devida ou indevidamente corram as escritório advocatícios e se escudem nos habeas corpus preventivos.
Fonte: Blog Luis Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.