segunda-feira, 22 de julho de 2013

Choque participa da operação de transferência de presos do Maranhão para o Presídio Federal de Segurança Máxima no Mato Grosso

Coronel Raimundo Sá  coordena equipe durante transferência

Os homens do Batalhão de Choque participaram neste sábado (20), da operação conjunta realizada pelas Secretarias de Estado da Justiça e Administração Penitenciária (SEJAP) e de Segurança Pública (SSP) para transferir 10 detentos de alta periculosidade do Maranhão para um presídio de segurança máxima, no estado do Mato Grosso.
Choque escolta saída dos presos
 O Batalhão de Choque, assim como o Grupo Tático Aéreo (GTA) foram convocados para garantir o êxito e a segurança da operação, tendo em vista que, os presos transferidos são os líderes de grandes facções criminosas que atuam no Maranhão, e que vinham comandando o crime de dentro das unidades prisionais. 
Nesta operação o Choque efetuou a transferência e escolta de 07 presos (Mauro, Gaspar, Pixuca, Roni Boy, Bruno, Tanaka e Tobias. O GTA deu apoio. Já o Grupo Especial de Operações Penitenciárias (Geop), fez a escolta de 03 presos. 
Policiais retiram presos do comando geral

Segundo informou o comandante do Batalhão de Choque, tenente-coronel Raimundo Sá, “a equipe policial do Choque está preparada para realizar operações que envolvem grande risco e alta tensão, por isto, participamos da operação do início ao fim. Desde a retirada dos detentos das unidades prisionais até o aeroporto. De lá, eles seguiram para Mato Grosso, escoltados por 20 agentes penitenciários da Sejap. O objetivo desta operação foi desarticular a ação desses criminosos, mantendo-os isolados”. 

Comboio do Choque durante operação de transferência
De acordo com a Secretaria de Justiça, a transferência destes detentos vinha sendo estudada há vários meses, período em que o Serviço de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública monitorou as ações das facções, dentro e fora dos presídios. Dentre os transferidos, sete estavam custodiados no Comando Geral da PMMA, dois no Presídio São Luís (PSL) e um na Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) do Anil.
         
Garantindo a segurança
            O Batalhão de Choque e o GTA estão dando apoio aos agentes penitenciários do GEOP, no complexo penitenciário de Pedrinhas e na CCPJ do Anil. Eles estão atentos a qualquer movimento dentro dos presídios ou nas ruas que possa indicar ação em represália pela transferência dos dez internos.

 A transferência foi resultado de um pedido feito pelo Governo do Estado ao Ministério da Justiça (MJ) que disponibilizou 30 vagas das quais dez foram utilizadas nessa operação. Os presos ficarão em Mato Grosso, até que seja construída a Penitenciária de Segurança Máxima de São Luís.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.