segunda-feira, 26 de agosto de 2013

PM prende estelionatário que tentou subornar delegado da Polícia Civil

Dinheiro apreendido com o estelionatário

Policiais militares lotados na 9ª Companhia Independente, sediada em Codó, prenderam sob a acusação de estelionato, no último fim de semana, Diogo Vinicius dos Santos, 21 anos, natural de Teresina. De acordo com informações do delegado Reno Cavalcante de Farias, titular da Delegacia de Coroatá, Diogo Santos é integrante de uma quadrilha de estelionatários que agia nos estados do Ceará, Piauí e Maranhão.

Segundo informações do delegado, as principais vítimas do bando era o idoso com dificuldade de usar caixa eletrônico. “A quadrilha permanecia dentro da agência bancária sempre se prontificando a ajudar. Depois de realizar a operação, eles ficavam com o cartão da vítima e entregam outro falso, ou vencido, do mesmo modelo. Em posse dos cartões e das senhas, eles realizam empréstimos”, detalhou o delegado Reno Cavalcante.

Diogo Santos foi detido no momento em que tentava aplicar o golpe. Ao perceber que o cartão entregue pelo estelionatário não era seu, a vítima gritou e chamou a atenção das pessoas que estavam na agência bancária. Ele foi imobilizado pelos usuários do banco que, em seguida, acionaram a PM. Dois comparsas que estavam com Diogo conseguiram fugir.

O estelionatário foi encaminhado à Delegacia de Coroatá.  No distrito policial, ele pediu uma conversa reservada com o delegado Reno. Na ocasião, solicitou o número de uma conta no Banco do Brasil para fazer uma transferência no valor de R$ 4 milpara não ficar preso. O delegado deu um número de uma conta, pediu que sacassem o dinheiro e em seguida autuou Diogo por Corrupção Ativa e Estelionato. Toda a conduta delitiva praticada pelo autuado foi gravada em áudio e vídeo pelo delegado Reno.

De acordo com informações do delegado, Diogo Santos disse que foi detido outras vezes no estado do Piauí, mas não foi autuado por ter subornado os policiais. Ele está detido no Centro de Detenção Provisória (CDP) à disposição da Justiça. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.