quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Jucema terá prédio restaurado pelo PAC Cidades Históricas

O antigo prédio sede da Junta Comercial do Estado do Maranhão (Jucema) que fica localizado à Praça Dom Pedro II, Centro Histórico de São Luís, está entre as obras que receberão investimento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas. A restauração foi confirmada durante a visita ao local, na manhã desta quinta-feira (3), do coordenador nacional do programa, Robson Antônio de Almeida, e da superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Maranhão, Kátia Bogéa, e equipe.

Os dirigentes foram recebidos pela presidente da Jucema, Sueline Moraes Fernandes, que apresentou todos os espaços do prédio que necessitam de reforma. Ela explicou que após a conclusão das obras o edifício estará dotado de condições para abrigar a sede da Junta.

"Esse é um anseio antigo e muito aguardado pela Junta Comercial. É revigorante saber que todo nosso esforço para reintegrar o imóvel ao conjunto arquitetônico de São Luís será consolidado. Com a restauração iremos contribuir para revitalização do Centro Histórico, trazer movimento, vida e segurança para o local que precisa ser mais do que um espaço exclusivo do turista, ele precisa estar inserido no dia a dia do ludovicense e, consequentemente, dos nossos clientes", reforçou a presidente.

O diretor Robson Almeida explicou que a ideia é conhecer as ações in loco e agilizar o início das obras o mais rápido possível. Segundo ele, no caso do prédio da Jucema, o objetivo é recuperar o imóvel para dar condição de uso adequado e devolver ao espaço a grande relevância que ele possui para o Centro Histórico. "Essa é a proposta do programa: proteger e recuperar o patrimônio de cidades históricas, tanto no que concerne a áreas tombadas quanto em relação à promoção do desenvolvimento local".
Para a superintendente do Iphan no Maranhão, Kátia Bogéa, essa é uma reforma que consolidará uma correlação histórica entre a Jucema, cuja existência soma 162 anos, e o comércio do Maranhão, já que o prédio é antigo e faz parte da história econômica do Estado, tendo sido, inclusive, a residência da primeira comerciante maranhense, a emblemática Ana Jansen.

Datado de 1824, com arquitetura civil portuguesa, o sobrado é fruto do primeiro apogeu econômico do Maranhão, fomentado pela Companhia de Grão Pará e Maranhão. É, inclusive, o único a ter tombamento individual pelo Iphan, em 1961, por representar peça fundamental para o entendimento da evolução urbana da cidade de São Luís, abrigando em suas dependências uma senzala urbana. "É um prédio antigo com grande valor histórico, tombado pelo Iphan, e que precisa de cuidados para recuperar as condições estruturais, e principalmente, garantir o conforto de quem precisa dessa importante instituição todos os dias", completou.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) é uma iniciativa do Governo Federal, através da ação conjunta entre os ministérios da Cultura e do Planejamento e o IPHAN, que pretende, em até três anos, recuperar monumentos históricos em 20 estados brasileiros. Na capital maranhense, 45 obras serão reformadas pelo programa. No total, serão investidos R$ 133 milhões na execução dos projetos, que deverão ser entregues em aproximadamente 30 meses, período estimado para a conclusão de todas as obras do PAC Cidades Históricas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.