quinta-feira, 24 de abril de 2014

Operação da Polícia Civil prende bando suspeito de vários homicídios na Região Metropolitana

Uma operação deflagrada pela Polícia Civil, no início da manhã desta quinta-feira (24), no Bairro Piancó, na área da Vila Embratel, culminou com a prisão de cinco pessoas envolvidas em vários homicídios na Região Metropolitana de São Luís. A ação tinha o objetivo de cumprir quatro mandados de prisão preventiva. Segundo as investigações da Polícia Civil, o grupo é apontado como autor de dois homicídios ocorridos no dia 15 de abril, que teve como vítimas Marcone da Costa Pereira, executado no Bairro Residencial Paraíso, na área da Vila Embratel; e de Domingos Pereira Coelho, conhecido como “Laranjeira”, no Bairro do São Francisco.
O bando foi apresentado à imprensa pela cúpula da Polícia Civil, na tarde desta quinta-feira (24), durante uma entrevista coletiva, na sede da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), na Vila Palmeira.
Segundo a delegada geral de Polícia Civil, Maria Cristina Resende, o êxito da operação se deu após a troca de informações entre os distritos policiais que investigavam os crimes. “São quatro homicidas confessos, sendo que dois deles estão ligados diretamente aos crimes do dia 15 de abril. Desde o início das investigações acreditamos que não eram dois crimes diferentes e sim crimes que estavam correlacionados. Além destes dois crimes, eles também são suspeitos da morte de Adriano Sodré Pinheiro, de 28 anos, ocorrida no dia 31 de março deste ano. Continuaremos trabalhando para apurar se há a participação de outras pessoas”, declarou.
Participaram da ação, equipes das superintendências de Polícia Civil da Capital (SPCC) e Estadual de Investigações Criminais (Seic), da Polícia Interestadual (Polinter), Delegacia de Homicídios, 16º Distrito Policial (Vila Embratel). Durante a operação, um helicóptero do Grupo Tático Aéreo (GTA) dava o apoio a fim de garantir que, caso ocorresse fugas, a polícia tivesse total visão da movimentação dos criminosos.
Foram detidos Jadson Rosa Câmara, 20 anos, conhecido como “filho de alemão”. Contra ele, havia dois mandados de prisão em aberto, sendo que um expedido pela juíza Katya Coelho Dias, da 3ª Vara Criminal do Júri, por um homicídio ocorrido no dia 19 de novembro de 2013, que vitimou Luís Carlos Castelo, de 24 anos. O outro mandado foi expedido pelo juiz Ernesto Guimarães Alves, pela tentativa de homicídio praticada no dia 1º de janeiro deste ano, que vitimou Marcone da Costa Pereira. Outro detido foi  Gean Araújo Pereira, de 20 anos. Ele também responde pela  tentativa de homicídio contra Marcone da Costa.
Foram presos ainda Luís Antônio Pavão Ferreira, 23 anos, conhecido como “limpal”. Ele foi localizado na Rua da Vitória, Piancó. Contra ele, há um mandado de prisão pela morte de Luís Carlos Castelo. Ele já foi preso também por tráfico de drogas.
Já contra José Ivan Silva Câmara, 23 anos, também preso na operação, também existe um mandado de prisão pela participação na morte de Luís Carlos Castelo. O criminoso responde ainda a um mandado de prisão expedido em setembro de 2013 por outro homicídio. Ele trocou tiro com a polícia e acabou baleado na perna. O suspeito foi encaminhado ao Socorrão I e depois transferido ao Socorrão II, onde permanece internado.
O último a ser detido foi Carlos Jorge Furtado Rodrigues, de 21 anos, na 1ª Travessa da Rua da Vitória, Piancó. Ele é apontado, de acordo com o delegado Paulo Márcio Tavares, titular da Polinter, como o fornecedor das armas ao bando. Na residência dele, os policiais apreenderam um revólver calibre 38. A arma será periciada a fim de comprovar se o revólver apreendido foi também utilizado em outros homicídios ocorridos na Região Metropolitana nos últimos meses.

Ligação entre os crimes no dia 15 de abril
Coordenados pela delegada Katherine Chaves, superintendentes de Polícia Civil da Capital, os delegados Jefrey Furtado, titular da Delegacia de Homicídios e Danilo Veras, titular do 16º DP, deram início ao levantamento de informações que levassem a identificação e prisão dos autores dos dois homicídios.
O delegado Danilo Veras explicou que as investigações para elucidar o crime que vitimou Marcone, ocorrido no dia 15 de abril as 15h30, tiveram início logo após o fato. Imediatamente, as equipes tanto da delegacia de Homicídios quanto do 16º DP se deslocaram até o local e começaram o levantamento dos primeiros indícios a fim identificar a autoria. Na cena do crime, os investigadores da Polícia Civil identificaram que o veículo utilizado seria um carro que presta serviços a uma empresa de companhia elétrica e que dentro do carro estariam seis indivíduos.
 “Já identificamos cinco, sendo um deles, o Ivanilton Viegas, conhecido como “Picachu”. Ele teria descido e com uma escopeta calibre 12 e disparou os tiros. Sabemos que ele agiu juntamente com seu comparsa que estava armado com um revolver calibre 380”, detalhou o titular do 16º DP que afirmou que após o crime, os homicidas  se deslocaram até o bairro da Liberdade, onde se encontraram com mais dois comparsas e teriam ido cometer o segundo homicídio naquela dia.
Dando continuidade às investigações, o delegado Jefrey Furtado, disse que por volta das 18h, do dia 15 de abril, ocorreu o homicídio do “laranjeiro”. Com mais este crime, a polícia acreditava na ligação dos crimes. “Quando ocorreu o crime no São Francisco lembramos que o Domingos Pereira Coelho é pai do Diogo Michel, um dos detentos mortos dentro de uma unidade prisional em Pedrinhas e que Marcone é irmão do Irismar Pereira, conhecido como “uruca”. A Polícia Civil, então,  descobriu a ligação entre os dois crimes. Eles foram mortos no dia 17 de dezembro de 2013 no Complexo Penitenciário de Pedrinhas”, explicou.
Ele afirmou que os dois crimes foram investigados simultaneamente e que foram perpetrados pela mesma quadrilha. Para a polícia Civil, a motivação seria por vingança uma vez que os companheiros do mundo do crime dos dois detentos mortos na unidade prisional estavam ameaçando vingar as duas mortes.
Todos que foram presos foram autuados em flagrante delito por Formação de Quadrilha. José Ivan Silva Câmara foi autuado também pela tentativa de homicídio, em decorrência da troca de tiros, ocorrida durante a prisão.

Mandante
O subdelegado geral de Polícia Civil, Marcos Affonso Junior, explicou que a linha de investigação chegou ao mandante do crime. O suspeito foi identificado como Ivanildo Madeira Viegas. Ele é ex-presidiário e seria, de acordo o subdelegado, quem determinava e dava as ordens para os homicídios. Na lista criminal do principal suspeito como mandante constam crimes de homicídios, tráfico de drogas e assaltos.
“Estamos com diversas equipes em campo a fim de localizar o mandante dos crimes. Ele é o tipo de criminoso que não se expõe, porém é de alta periculosidade, por isso pedimos que a população continue sendo parceira da polícia dando informações dos possíveis paradeiros dele”, mencionou.
O cidadão pode utilizar os números do Disque-Denúncia (98)32235800- capital, 0800 313 5800- interior e, ainda, por meio do whatsapp (98) 92248660.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.