quarta-feira, 30 de abril de 2014

Sejap estuda mudança no local que funcionará Centro de Detenção Provisória de Pedreiras

A secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária analisará, após reunião realizada na sede do órgão nesta quarta-feira (30), a mudança do local em que funcionará o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pedreiras. O encontro que foi solicitado pelo deputado estadual, Raimundo Louro, teve como objetivo levar aos gestores do órgão algumas questões da população do município.


De acordo com Raimundo Louro, a população está insatisfeita, pois o projeto visa que essa nova unidade prisional seja na área urbana da cidade. Desde 2001, Pedreiras conta com um Centro de Ressocialização e no terreno funciona também uma Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac), segundo o deputado, este seria o local ideal para a nova unidade.


“A sociedade de Pedreiras não é contra o novo presídio, apenas solicita que seja em um outro local. A sugestão é que seja ao lado do já existente, localizado a cinco quilômetros da cidade e possui área suficiente para o projeto”, frisou.


O secretário de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária, Sebastião Uchôa, esclareceu que a ideia de reforma e ampliação da Delegacia Regional de Pedreiras para que se adeque a Centro de Detenção Provisória também foi estratégica. “A separação física dessa unidade com as demais é importante para evitar o contato com outros internos. O CDP será parte fundamental no trabalho de ressocialização que já conta com a outra unidade prisional e a Apac para contribuir com esse processo no município”, acrescentou. 


O Centro de Detenção Provisória que funcionará na cidade terá papel de regional, recebendo internos de Trizidela do Vale e adjacências, impedindo o envio desses para a capital. “A partir disso poderão cumprir pena próximo de seus familiares como determina a Lei de Execução Penal”, explicou Uchôa.


Para o padre José Geraldo da Paroquia de São Benedito de Pedreiras, a visão humanizada que está sendo dada ao sistema carcerário pela Sejap e também com relação à população é primordial para entender a situação “Não somos contrários a unidade, mas queremos evitar  um desgaste e agir para o bem de todos. A mudança para outro lugar seria a melhor alternativa”.     



Participaram da reunião, o subsecretário do órgãos, Mário Leonardo Pereira Jr.; o assessor jurídico e engenheiro da sejap Wellington Dias e Luis Carlos, respectivamente; representantes do banco BNDS e da empresa responsável pela obra.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será avaliado e liberado posteriormente.

Obrigado pela sua participação.